Como foi meu 2009 (breve revisão anual)

Adoro o final do ano! Família unida, muitas guloseimas, presentes e tempo pra parar e refletir. Desde criança eu gosto desta época do ano, e creio que boa parte dos leitores também devem gostar.

Esta é a época que costumo refletir nos meus objetivos e no que aconteceu no ano que passou, o que eu realmente consegui e no que evoluí, e onde falta evoluir.

Tenho 23 anos, e sendo parte da geração Y quero tudo pra ontem. Dinheiro, carros, viagens, baladas. Tudo pra agora. Acompanho a vida dos meus amigos e todos ficam impacientes se não são promovidos rápido ou se não recebem aumento logo. Eu também sou assim. Portanto, tenho o hábito de colocar MUITAS metas a cumprir, e nem sempre calcular se isso será possível ou não.

De qualquer forma, isso é importante porque mesmo que não consiga 100% das metas, eu passei o ano andando na direção certa, e posso reavaliar agora, se realmente eram metas importantes ou não.

CARREIRA
2009 não foi um ano de revoluções pra mim, como eu esperava que fosse. O faturamento da minha empresa ainda não decolou pra estratosfera como eu imaginava, e até mesmo alguns passos importantes não puderam ser tomados em direção ao meu objetivo.

Tenho muito claro os objetivos principais:
1. Fazer com que a empresa tenha lucro o suficiente para se sustentar, além de sustentar o estilo de vida para o qual caminho
2. Fazer com que a empresa esteja organizada o suficiente para que possa funcionar sem a minha presença

São pontos fundamentais, e dos quais eu não esqueço por um só dia durante o ano todo. Estes são os meus objetivos, e quando alcançã-lo me considerarei uma pessoa livre. Sem obrigações de trabalhar todo dia, e nem de cumprir horários, o que ainda tenho que fazer, mesmo sendo meu chefe, e mesmo os horários sendo bem convenientes. Ainda não tenho a mobilidade que eu quero, por exemplo, nenhuma viagem hoje pode levar mais de 1 semana. E como eu adoro viajar por mais tempo! Portanto, ainda não me considero uma pessoa livre.

Entretanto, vários pontos positivos:

  • Desde o final do ano passado, o sistema de cobrança ficou mais profissional, e muito menos trabalhoso, com emissão de boletos. O próximo ponto é aceitar cartões de crédito, mas ainda é um desafio cmo relação ao fluxo de caixa (só se recebe muito tempo depois)
  • Abrimos a loja online da DOC-DOG, ainda em fase de testes, que vende acessórios relacionados a viagens para animais
  • Consegui aumentar meu salário em quase 60%, sem comprometer o fluxo de caixa da empresa
  • Consolidação de estratégias com relação a envio de animais desacompanhados
  • Registro da marca (nenhum risco com relação à marca de roupa)
  • Renovação do site, com muito mais conteúdo,  o que aumentou a visitação no site exponencialmente, e consequentemente as vendas
  • Ainda estudo de manhã na faculdade, e não é fácil trabalhar e estudar desse jeito. No meio de 2010 me formo e não teremos mais este problema, com mais tempo para focar na empresa na reta final do ano que vem.

Metas para a DOC-DOG em 2010:

  • Iniciar blog, com no mínimo 120 posts de bom conteúdo durante o ano, para aumentar o número de visitantes através de sites de busca ainda mais
  • Iniciar campanha no Google Adwords implantada e coordenada por um profissional terceirizado
  • Criação de videos úteis para pessoas viajando com animais
  • Finalmente automatizar completamente o gerenciamento de informações do cliente (CRM) implantado por um profissional terceirizado
  • Contratação de mais uma pessoa para o atendimento ao cliente (até agora além de mim temos só um funcionário)
  • Mudar para a nova sede da empresa

Pelos objetivos acima deu para ver que será um ano ainda de consolidação, mas de muita inovação e crescimento também. O plano é que em 2010 eu consiga estabilizar o faturamento da empresa num patamar interessante e me comprometer com cada vez menos funções operacionais, me preparando para apenas funções estratégicas em 2011, e quem sabe tirar minhas merecidas folgas em 2012.

LIÇÕES PESSOAIS
Este ano foi muito importante na minha vida pessoal também. Comecei e terminei um namoro. Minha mãe passou por uma cirurgia delicada, minha irmã prestou vestibular pra valer, eu apresentei meu trabalho de conclusão de curso no Mackenzie (mas ainda não concluí o curso, falta um semestre ainda), perdi 13 quilos intencionalmente (de 80 para 67), fui para a Argentina 5x (eu acho), ganhei o carro do meu pai de presente de natal e completei meu primeiro ano cheio morando sozinho.

Com a cirurgia da minha mãe (que agora está ótima), aprendi que momentos difíceis unem a família como nunca. E que nem sempre as coisas ruins são tão ruins quanto a gente pensa que serão. Muito do sofrimento é apenas antecipação. Na verdade, isso eu tinha aprendido quando quebrei o fêmur andando de skate aos 12 anos, meus pais estavam sempre presentes o tempo todo (mesmo sendo separados), e eu me recusava a ficar ansioso porque já que tinha que sofrer uma vez na cirurgia – que acabaram sendo 3 – por que sofrer mais vezes antecipando o sofrimento?

Ainda divido um apartamento em Higienópolis com o Guilherme, meu amigo da faculdade. É um aprendizado constante conviver com outra pessoa, e espero que isso ajude na adaptação do casamento =). Já vivi com 7 pessoas desconhecidas na mesma casa durante um tempo, mas com certeza esta é a experiência mais longa que mais tive do tipo. Sou agradecido por morar com uma pessoa muito fácil de conviver.

Estou numa época da vida muito curiosa, a fronteira entre o homem adulto e o moleque de faculdade. É uma fronteira muito boa de se estar, e espero continuar nela por muito tempo. Tenho muita liberdade, principalmente por morar sozinho e pagar minhas contas. Tem alguma coisa muito boa e ao mesmo tempo meio assustadora em ser responsável pelos próprios atos. Mas vale a pena.

Conheci muita gente esse ano. Algumas me abriram a mente para algumas coisas. Outras simplesmente foram amigas e companheiras como sempre. Velhos amigos que tive a oportunidade de rever e de continuar convivendo. Acredito que valorizar os amigos (e a família) é a melhor investimento que se pode fazer no longo prazo.

Li muitos livros este ano. Posso até dizer que tenha sido o ano que mais eu tenha lido. Com a necessidade de manter uma empresa lucrativa, li o maior número de livros de negócios que pude. Até mesmo desenterrei alguns antigos, do primeiro semestre da faculdade. Além disso, li muitos gibis, graças ao meu amigo Rodolfo, que coleciona e tem a paciência de me emprestar os seus preferidos. Li muito Sherlock Holmes, e livros de ficção em geral. Não há nada que te faça viajar mais do que um livro de ficção inteligente e que prenda instigando a curiosidade, além de bem escrito, é claro. Estou feliz com o número de livros que li, e mais ainda com o número de livros empilhados ainda esperando para serem lidos. Andei comprando bastantes deles, e espero continuar assim em 2010. É algo que me traz satisfação e me ajuda a evoluir ao mesmo tempo.

Cinema. Ah, como eu adoro o cinema. Este ano também assisti a muitos e muitos filmes. Praticamente todos que queria ver no cinema eu vi. E no final de novembro resolvi que veria um filme por dia (inicialmente para parar de trabalhar até altas horas) e a técnica tem funcionado muito bem, além de me ajudar a progredir riscando alguns filmes da lista dos “para ver”. Em 2010 vou comprar uma TV HD e um Playstation 3, e vou poder ver meus queridos moving pictures em high-definition sem precisar sair de casa, o que deve me atiçar ainda mais.

Em 2009 uma paixão minha ficou suspensa, os videogames. Tive que adiar a compra do PS3 e mesmo assim, teria muito pouco tempo para jogar. É outra forma de arte que realmente me encanta (como a literatura e o cinema), e não quero mais ficar longe dela por muito tempo.

Uma das coisas mais importantes que aprendi em 2009 é que paciência e persistência são necessárias. Talvez eu já soubesse, mas esse ano ficou muito claro pra mim. Transformações que valem a pena não acontecem do dia para a noite. Leva tempo. Às vezes muito mais tempo do que achamos que levaria. E ter a certeza de onde se quer chegar aliado à paixão de percorrer o caminho e a persistência de não desistir nunca é tudo o que se precisa para chegar ao que se quer. O resto são apenas truques e distrações que te fazem chegar um pouco mais rápido ou um pouco menos.

Finalmente, espero que 2009 tenha sido tão bom a vocês quanto foi para mim. Um feliz e próspero 2010 a todos, que continuem seguindo seus sonhos com paixão e com persistência.

Veja também: Meu post sobre planejamento anual em primeiro de janeiro de 2008.

Anúncios

A importância da madrugada

Por volta dos meus 12 anos, conheci a internet. Eu nasci em 1986, então foi entre 1996 e 1999, não sei muito bem. Enfim, quem não nasceu nesse milênio lembra que a conexão era discada,  o modem fazia aquele barulhinho e que internet era cobrada como pulso telefônico. Para economizar, e para que a família pudesse usar o telefone sem ter que se estressar, eu adquiri o hábito de entrar na internet depois da meia-noite (a Telefonica cobrava um pulso único por conexão, o que era lindo!  – tirando que a conexão caía umas 3x por noite, mas tudo bem). O importante de tudo isso, é que adquiri o hábito de ficar acordado de madrugada, e de dormir tarde. Por muito tempo foi o horário mais movimentado da internet. Antes disso, eu já gostava de assistir Jô Soares Onze e Meia, mas este foi o princípio definitivo de uma vida que nunca mais seria diurna.

De sterrennacht)

"Noite estrelada", de Van Gogh (em holandês: "De sterrennacht")

Ficar acordado durante a madrugada tem se mostrado muito produtivo para mim até hoje, em diferentes momentos da vida, e apresento alguns motivos:

  1. Sem interrupções. Comecei com este, porque é o ponto mais importante de todos. Eu não ligava muito para interrupções, até ser um adulto, mas tem se provado um dos grandes problemas do século 21. Hoje em dia, as pessoas ficam com raiva se o seu celular está na caixa postal, ou se você o desliga para dormir, ou se não lê os e-mails a cada 20 minutos. As pessoas esperam que você seja interrompível. É uma obrigação sua reconquistar este espaço. A madrugada é boa, porque ninguém manda mensagens de texto no celular de madrugada, nem te ligam para oferecer produtos ou serviços. Aliás, ninguém te liga, porque é de madrugada, não se liga para as pessoas de madrugada, normalmente nem pro seu melhor amigo (esqueça tudo o que eu falei, se você é adolescente). Ninguém entra no quarto/escritório para tirar dúvidas e nem você recebe e-mails urgentes que requerem resposta imediata. A única distração é o msn ou equivalente, mas você pode desligá-lo ou normalmente de madrugada meeesmo tem pouca gente hoje em dia.
  2. Boost de criatividade. Durante a madrugada, eu geralmente esqueço das obrigações. Afinal, você poderia estar dormindo, ninguém vai poder te cobrar nada a esta hora, e você não pode se sentir obrigado a resolver problemas ou trabalhar mais nem cumprir com obrigações. A madrugada é uma hora de relaxar, e pensar em coisas que você tem prazer em pensar, e fazer coisas que lhe dá prazer em fazer. Foi sempre à noite que eu tinha alguma idéia e até iniciava a execução de alguma coisa que fazia a Doc-Dog dar um salto, fosse no atendimento, fosse nos procedimentos ou no marketing em geral. E isso porque eu gosto deste tipo de trabalho, mas nem sempre dá tempo de executá-lo no dia-a-dia.
  3. “As estrelas brilham na escuridão”. Li essa frase num texto do Roberto Shinyashiki, que diz que a ouviu de um monge zen-budista. Ela tem muitos sentidos diferentes, entre eles o de que o sucesso é construído à noite.  Porque “durante o dia, a tendência é todo mundo fazer as mesmas coisas. (…) A diferença, geralmente, é criada depois do expediente. São as leituras e discussões que você faz depois que as luzes do escritório se apagam”. E é a mais pura verdade, e é por isso que eu acredito tanto no desenvolvimento individual, é ele que te diferencia do resto todo. E são as coisas que não ensinam em colégios ou faculadades, são as lições aprendidas por interesse em simplesmente aprender que tornam alguém mais bem-sucedido em determinada área. É o conhecimento proveniente da paixão. E por isso a madrugada é perfeita para o auto-desenvolvimento e auto-conhecimento.

Desejo a você, muitas noites não-dormidas. =)

Ter, ser ou fazer?

Ultimamente eu tenho tido muito tempo para pensar no rumo que quero tomar, e que estou tomando, a cada dia. Gosto de pensar que o futuro é um lugar onde eu escolhi chegar, mas as escolhas são feitas a toda hora. Algumas vezes você nem sabe que escolheu, e pode ter feito a escolha errada.

O que é mais importante para você na vida? Quando você faz uma lista de metas, como ela se parece? Com o quanto de dinheiro quer ter no banco? Idiomas que quer aprender? Carros, roupas e o lugar onde quer morar? Estar com as pessoas queridas e importantes para você?

Eu acho importante um pouco de cada. Afinal…

o que define a sua identidade?

Para um grande número de pessoas, a identidade é definida pela profissão, ou ocupação. É uma maneira fácil de responder à questão “quem é você?”. E para a maioria das pessoas, elas gastam tanto tempo em suas vidas com sua profissão, que é perfeitamente compreensível se definir com sua profissão. Tirando o fato de ser uma forma de status, posição social etc.

Mas a grande questão que quero abordar, é que agora que tenho praticado alguns princípios do livro The 4-Hour Workweek, tenho tido muito mais tempo para parar e refletir, e para fazer outras coisas que adoro. Eu posso ir ao cinema no meio da tarde, sem pegar fila e escolher o melhor lugar. Eu posso fazer meu cooper pela tarde, ou exercícios, posso simplesmente terminar o livro que quero ler, ou diminuir a sempre crescente lista de DVDs a assistir. A minha produtividade aumentou, por isso ocupo poucas horas do dia fazendo tarefas do trabalho, efetivamente.

Uma benção da era da internet para todos nós, e da era da informática em geral, é a mobilidade. Recentemente viajei para Buenos Aires, e continuei atendendo telefonemas como se estivesse no escritório. Posso fazer meu cooper, porque caso alguém me ligue eu vou saber, e posso escolher atender ou não. A decisão agora é minha. A maioria das vezes que estou me entretendo, entretanto, gosto mesmo é de deixar o celular desligado, quando não deixo em casa. Não sou uma pessoa a favor da desconectividade, muito pelo contrário, mas viver sem limites para a interrupção é viver a mercê da vontade alheia, o ideal é reganhar o controle. Eliminar, automatizar e terceirizar tarefas têm sido a minha prioridade, a minha missão por um tempo.

Tendo mais tempo para ler, para respirar, para refletir e para ser, acabo entrando em contato com o que realmente me traz felicidade, e decido ativamente os caminhos que quero seguir. Se você está trabalhando muito e acha que é a única saída, pare e olhe ao redor. Há pessoas trabalhando menos e ganhando mais que você, o que elas fazem de diferente?

Ter, ser ou fazer?

Voltando à pergunta inicial deste post, acontece que acabo de perceber que estou trocando cada vez mais o TER pelos SER e FAZER. Fazer coisas que me dão prazer, ou definir coisas que quero fazer pelo menos uma vez na vida. Fiz uma lista das coisas que quero fazer pelo menos uma vez na vida. Fiz porque acho interessante ter metas um pouco diferentes das de todo mundo, e fazer coisas que nem todo mundo faz. Viver e ter histórias para contar é uma de minhas metas. Dividirei com vocês minhas listas de ser e fazer. Quem sabe você não gosta da coisa?

FAZER PELO MENOS UMA VEZ NA VIDA

  • morar em Buenos Aires por 6 meses estudando espanhol e tendo aulas de Tango
  • morar na Thailandia e treinar Muay Thai
  • saltar de bungee-jumping e pára-quedas na Nova Zelândia
  • fazer uma viagem sub-espacial, saindo da atmosfera terrestre, vendo o planeta lá do espaço (esse é particularmente motivo de risadas, mas para os incrédulos, veja que é possível)
  • visitar as maravilhas do mundo (atuais e clássicas)
  • fazer mergulho submarino
  • morar em Nova York
  • morar em San Francisco
  • morar em Paris e aprender francês
  • morar em Amsterdam
  • morar na China
  • morar em Tokyo
  • viajar a Europa inteira, ocidental e oriental
  • visitar a Antártida

SER

  • Um ótimo cozinheiro
  • Ser fluente em português, inglês, espanhol, francês, italiano, alemão, japonês e chinês
  • Conhecedor de design
  • Conhecedor de paisagismo e decoração
  • Conhecedor de história da arte
  • Um empresário bem sucedido
  • Alguém que tem tempo para sempre parar e revisar esta lista, adicionando e reitrando ítens

Na verdade esta não é minha lista oficial, ela teria alguns segredos que pretendo que continuem secretos. Mas é uma bela amostra de algumas coisas que quero alcançar. E quando você faz as contas, nem custa tão caro quanto se imagina. Na viagem para a Argentina, gastei efetivamente R$180, que talvez fossem gastos em São Paulo, onde eu vivo da mesma forma.

Quando você pára para pensar, ninguém quer dinheiro. As pessoas querem a liberdade que o dinheiro pode proporcionar. Ah, essa sim! É por essa que eu trabalho e é ela que vai sempre ser a minha maior meta nesta vida.

E você? Por que razão levanta da cama todos os dias?

Apresentação

Como tantas outras vezes, inicio um blog.

Diferente de outras vezes, entretanto, o blog não tem um assunto definido. De forma que falarei do que der vontade, sobre a minha vida e as coisas que vejo, ouço e experimento neste (e quem sabe em outros) mundo.

Podem descansar tranquilos os que, como eu, não querem ler um diário online, pois não é disto que isto trata. Em seu lugar, haverá conteúdo aleatório de observações, reflexões e pensamentos. Menos formal que os outros, mas não por isso com menor qualidade.

Para que vocês – e eu também – possam me conhecer melhor, escrevo.

Eu sou Luis Fernando Imperator. Seja bem vindo.