The Matrix has you!

“Sabe como eu sei que não estamos na Matrix? Porque a comida é horrível!” Dr. Sheldon Cooper

Ontem reassisti a Matrix, filme que completou 10 anos em 2008. O cinema tem a chance de transmitir mais que uma simples sequencia de acontecimentos. Os filmes contam uma história, e a moral desta história pode ser entendida pelo espectador mais atento. É como uma cebola, são muitas camadas, e nem todos vêem as mesmas.

Façamos uma breve análise. Se você não assistiu ao filme, por favor alugue uma cópia na locadora mais próxima à sua caverna antes de ler o artigo. Esteja avisado.

O filme começa com uma sequencia de luta e perseguição por cima de prédios com pulos impossíveis e uma prévia do incrível e famoso bullet time, criado pelos irmãos Watchovsky neste filme. Mr. Anderson segue o coelho branco, e assim como Alice, acaba descobrindo uma realidade à sua volta muito maior e diferente do que imaginava. Durante todo o filme, ele é forçado a alterar seus conceitos e descobrir a verdade cruel, que o mundo que ele viveu todo este tempo não passa de uma ilusão criada para mantê-lo sob controle. Não só a ele, como a toda a humanidade. Por várias vezes, ele tenta negá-la e se arrepende de não ter tomado a pílula azul da omissão e do conforto. Mas ele escolheu a pílula vermelha da ousadia, da aventura, da curiosidade, do desconforto, e da verdade.

Morpheus diz a Neo que ele é o escolhido de bate-pronto, não há segredos aqui. O que realmente falta é que ele se convença disso. Mesmo que tenhamos grande potencial, não podemos aproveitá-lo plenamente se não nos descobrimos. E é isso que falta a muitas pessoas, era o que faltava a Neo.

Morpheus representa a certeza e a obstinação. Ele sabe onde quer chegar e fará de tudo para que consiga seu objetivo. Ele dá o suporte necessário e está disposto a se sacrificar por sua causa. Ele não fica de braços cruzados, ele vai fazer o que é preciso.

Cypher, o traíra da equipe, representa aqueles que preferem enganar a si próprios para não enfrentar a realidade cruel. Ele bebe para esquecer, bem como entrega os amigos em troca de que apaguem sua memória. A realiadade é dura demais para alguns, e os faz tentarem fugir dela.

O filme possui incontáveis frases de efeito, dessas que os nerds (me inclua aqui) não se cansam de repetir em forums, e das quais nós mesmos nos pegamos pensando ao f inal do filme. Morpheus é o rei das frases de efeito, e quem não gosta delas? Aqui vão algumas:

Morpheus: Welcome to the real world!
Morpheus: I can only show you the door. You’re the one that has to walk through it.
Morpheus: Unfortunately, no one can be told what the Matrix is. You have to see it for yourself.
Spoon boy: There is no spoon.

Trinity: Neo… nobody has ever done this before.
Neo: That’s why it’s going to work.

Agent Smith: Tell me, Mr. Anderson, what good is a phone call when you are unable to speak?

Cypher: Ignorance is bliss.

Ah, boas e velhas frases de efeito. Todos os filmes de ação deveriam ter.

Além do roteiro, o filme revoluciona maravilhosamente na estética. Assistir um tiroteio com cambalhotas e muita câmera lenta, ah! não tem nada melhor. O bullet time, as coreografias, o figurino, os cenários, é tudo lendário hoje em dia.

O momento que Neo tem sua iluminação é a parte mais tocante do filme, e a mim, fez marejar os olhos. Enxergar o que ninguém mais enxerga, ver o mundo com outros olhos. Entender o seu real poder, e ver que você pode mudar a forma como os outros vêm o mundo em volta deles. Ali, a dinâmica de poder muda completamente. Sai da mão dos agentes para a mão de Neo. Esta é a verdadeira beleza de Matrix. Todo o restante complementa o fundamento que é incrível.

Um exemplo de filme bem filmado. Um exemplo de cinema como ele deve ser: ousado, provocativo, que altera o status quo, aumenta seu contexto mental, encanta, entrega mais do que é esperado, e é atento aos detalhes. Matrix não é um clássico à toa.  Ele é uma obra-prima e será cultuado por gerações de espectadores, como toda obra-prima deve ser.

Um pensamento sobre “The Matrix has you!

  1. Pingback: Aprendendo com o palhaço - ou 10 coisas que podemos aprender com o Coringa, de Cavaleiro das Trevas « Imperator’s blog

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s